Fascículo 5
Ciências Humanas e suas Tecnologias
Começar
 
Qual o seu nome? *

 
Qual o número do seu telefone? *

 
Ciências Humanas e suas Tecnologias

O segundo fascículo da área de Ciências Humanas e suas Tecnologias é dedicado às competências 3 e 4, que contemplam as habilidades de números 11 a 20.

A competência 3 requer a compreensão da produção e do papel histórico das instituições sociais, políticas e econômicas, associando-as aos diferentes grupos, conflitos e movimentos sociais, e engloba as habilidades de números 11 a 15, assim descritas, respectivamente: identificar registros de práticas de grupos sociais no tempo e no espaço; analisar o papel da justiça como instituição na organização das sociedades; analisar a atuação dos movimentos sociais que contribuíram para mudanças ou rupturas em processos de disputa pelo poder; comparar diferentes pontos de vista, presentes em textos analíticos e interpretativos, sobre situação ou fatos de natureza histórico-geográfica acerca das instituições sociais, políticas e econômicas; e avaliar criticamente conflitos culturais, sociais, políticos, econômicos ou ambientais ao longo da história.

Na competência 4, teremos de entender as transformações técnicas e tecnológicas e seu impacto nos processos de produção, no desenvolvimento do conhecimento e na vida social. Suas habilidades, de 16 a 20, esperam que o aluno identifique registros sobre o papel das técnicas e tecnologias na organização do trabalho e/ou da vida social; analise fatores que explicam o impacto das novas tecnologias no processo de territorialização da produção; analise diferentes processos de produção ou circulação de riquezas e suas implicações socioespaciais; reconheça as transformações técnicas e tecnológicas que determinam as várias formas de uso e apropriação dos espaços rural e urbano; e selecione argumentos favoráveis ou contrários às modificações impostas pelas novas tecnologias à vida social e ao mundo do trabalho. 

Bons estudos, {{answer_h1NnbEEvSCd7}}!
 
*

 
*

 
Questão 1
Homenagens e protestos marcam Dia de Martin Luther King nos EUA 

Nas comemorações do Dia de Martin Luther King de janeiro de 2015, propagou-se, mais uma vez, a frase “Black lives matter” (“Vidas negras importam”), que surgiu nos protestos gerados pela morte de jovem negro, em agosto de 2014, na cidade norte-americana de Ferguson. A utilização dessa frase nas comemorações de 2015 aponta para uma contradição existente entre uma característica da ordem política norte-americana e um impedimento ao pleno exercício dos direitos civis, que historicamente registram movimentos de ordem sociais como este. 

Essa característica e esse impedimento são, respectivamente, 
*


 
Questão 2
Entre pratarias, joias, louças, livros, mapas, moedas, documentos de estado e outros bens de valor que se conseguiu juntar nos navios que deixaram Lisboa em novembro de 1807, não constava uma remessa importante: os caixotes de livros, documentos, gravuras e outras preciosidades da real biblioteca. Na pressa, acabaram cando abandonados no porto, e lá permaneceram, debaixo de sol e chuva, até retornar ao palácio da Ajuda. Enquanto isso, D. João, em meio a tantos contratempos só tomaria conhecimento do infortúnio algum tempo após a chegada ao Rio de Janeiro. 

A chegada da família real portuguesa ao Brasil ocorreu em 1808. Então, podemos afirmar que 
*

A longa viagem da biblioteca dos reis: do terremoto de Lisboa à independência do Brasil / Lilia Moritz Schwarcz com Paulo Cesar de Azevedo e Ângela Marques da Costa. São Paulo: Companhia das Letras 2002, p. 262.

 
*

 
Questão 3
A República, de Platão, consiste na busca racional de uma cidade ideal. Sua intenção é pensar a política para além do horizonte da decadência da cidade-Estado no século de Péricles. O esquema a seguir mostra como se organizam as classes, segundo essa proposta. 

Na obra de Platão, citada anteriormente, e no esquema apresentado, a condição do bem-estar social está ligada à justiça, igualdade e realidade de classes, em que *


 
Questão 4
Texto I

Em Esparta, crianças do sexo masculino que apresentavam de ciências físicas eram sacrificadas ao nascer, por não poderem servir ao Estado como futuros guerreiros. 

Texto II
O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que não é mais crime o aborto de fetos anencéfalos. Já era permitida a interrupção da gestação em casos de estupro ou claro risco à vida da mulher. Todas as demais formas de aborto continuam sendo crime, com punição prevista no Código Penal. 

A leitura dos textos permite concluir que  *

Texto I VICENTINO, Claudio; DORIGO, Gianpaolo. História para o Ensino Médio. Ed. Scipione, 2002. 
Texto II Disponível em: www.noticias.terra.com.br

 
*

 
Questão 5
Se, na Monarquia, Tiradentes, quando lembrado, era apresentado como um homem sem habilidades e realização profissional, no início da República ele passou a ser descrito como personagem de múltiplos talentos, entre os quais o talento político e revolucionário. Já no Estado Novo, tornava-se exemplo do brasileiro laborioso e dotado de inúmeras qualidades... 

A mudança sobre a imagem divulgada de Tiradentes está relacionada à busca de sucessivos governos em obter o(a) *

FONSECA, Thais Nívia de Lima e. A imagem do herói. In: Nossa História. São Paulo: Editora Vera Cruz, no 3, 2004, p. 81.

 
Questão 6
A respeito do movimento social aludido, pode-se inferir que  *


 
*

 
Questão 7
Texto I 
A arte de imitar está bem longe da verdade, e se executa tudo, ao que parece, é pelo fato de atingir apenas uma pequena porção de cada coisa, que não passa de uma aparição.

Texto II
O imitar é congênito no homem e os homens se comprazem no imitado.  

Os textos versam sobre a estética e a questão da mimese em Platão e Aristóteles, definindo que
*

Texto I PLATÃO. A República. 7.ed. Trad. de Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1993. p. 457 (adaptado). 
Texto II ARISTÓTELES. Poética. 4.ed. Trad. de Eudoro de Souza. São Paulo: Nova Cultural, 1991. p. 203. Coleção “Os Pensadores” (adaptado).

 
Questão 8
Texto I
Os assírios desenvolveram exércitos e conquistaram a região que hoje compreende o Iraque e o Afeganistão. Saques, torturas, mutilações e castrações eram meios comuns de impor dominação às populações dominadas.

Texto II
As tropas norte-americanas ocuparam o Afeganistão e o Iraque com o objetivo de combater os Talibãs e o regime ditatorial de Saddam Hussein. A vitória norte-americana representa a vitória da liberdade.

A leitura e a comparação dos textos sobre as ocupações militares na região do Oriente Médio permitem afirmar que  *


 
*

 
Questão 9
Os escravos não testemunharam passivamente a independência. Muitos chegaram a acreditar, às vezes de maneira organizada, que lhes cabia um melhor papel no palco político. Os sinais desse projeto dos negros são claros. Em abril de 1823, dona Maria Bárbara Garcez Pinto informava seu marido em Portugal, em uma pitoresca linguagem: “A crioulada fez requerimentos para serem livres”. Em outras palavras, os escravos negros nascidos no Brasil (crioulos) ousavam pedir, organizadamente, a liberdade! 

Na perspectiva do processo de independência do Brasil, o texto ressalta a *

O jogo duro do Dois de Julho: o “Partido Negro” na independência da Bahia, em João José Reis e Eduardo Silva, Negociação e Conflito. A resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Cia das Letras, 1988, p. 92 (adaptado).

 
*

 
Questão 10
Com o desenvolvimento industrial, o proletariado não cresce unicamente em número; concentra-se em massas cada vez maiores, fortalece-se e toma consciência disso. A partir daí, os trabalhadores começam a formar sindicatos contra os burgueses, atuando em conjunto na defesa dos salários. De todas as classes que hoje se defrontam com a burguesia, apenas o proletariado é uma classe verdadeiramente revolucionária. Todos os movimentos históricos precedentes foram movimentos mino- ritários, ou em proveito de minorias. O movimento proletário é consciente e independente, da imensa maioria, em proveito da imensa maioria. Proletários de todos os países, uni-vos!

No texto, as relações entre indivíduo e sociedade estão profundamente enraizadas em fatores *

Marx e Engels. Manifesto comunista, 1982 (adaptado).

 
*

 
Questão 11
Desde o início do século XX, a produção dentro das fábricas se estruturava em torno dos princípios do chamado fordismo/taylorismo. A partir de 1960 e, especi camente na década de 1970, com o aprofundamento da crise mundial do capitalismo, aconteceu uma reestruturação da produção capitalista e a introdução progressiva do toyotismo, como modelo de organização do trabalho.

Analisando o modelo fordista e toyotista e as consequências para a organização do trabalho e/ou da vida social, verifica-se que   *

OLIVEIRA, L. F.; COSTA, R. C. R. Sociologia para jovens do século XXI. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 2013.

 
*

 
Questão 12
Somente o relógio de ponto controla a presença do trabalhador? O trabalhador sempre encontrará trabalho? Que tipo de tarefa exercerá no futuro? Há muitas questões... Nem todas têm respostas...

Dentre os fatores que contribuem para as modificações no mundo do trabalho na atualidade, pode-se destacar a  *


 
*

 
Questão 13
A terceira característica da economia mundial é a que mais salta aos olhos: a revolução tecnológica. (...) As indústrias tecnologicamente revolucionárias, baseadas na eletricidade, na química e no motor de combustão, começaram certamente a ter um papel de destaque, em particular nas novas economias dinâmicas. (...) Contudo, considerando apenas a Europa, entre 1880 e 1913, foi construída a mesma quilometragem de ferrovias que “na idade da ferrovia” inicial, entre 1850 e 1880. França, Alemanha, Suíça, Suécia e Holanda aproximadamente duplicaram suas redes ferroviárias nesses anos. 

O século XIX, em particular a sua segunda metade, foi marcado por profundas transformações na tecnologia de produção industrial e, entre seus efeitos principais, é correto afirmar que  *

HOBSBAWM, Eric J. A Era dos Impérios, 1875-1914. Editora Paz e Terra, 5a edição, Rio de Janeiro, 1998, p. 81.

 
Questão 14
A Primeira Revolução Industrial, apesar de não se basear em ciência, apoiava-se em um amplo uso de informações, aplicando e desenvolvendo os conhecimentos preexistentes. E a Segunda Revolução Industrial, depois de 1850, foi caracterizada pelo papel decisivo da ciência ao promover a inovação. De fato, laboratórios de P&D [Pesquisa e Desenvolvimento] apareceram pela primeira vez na indústria química alemã nas últimas décadas do século XIX. 

Segundo o que preconiza o texto, é possível reconhecer uma Terceira Revolução Industrial, a partir da segunda metade do século XX, caracterizada por  *

CASTELLS, 1999, p. 50.

 
*

 
Questão 15
O capitalismo já conta com mais de dois séculos de história e, de acordo com alguns estudiosos, vive-se hoje um modelo pós-fordista ou toyotista desse sistema econômico. 

Uma estratégia própria do capitalismo pós-fordista presente nesse anúncio é a(o) *


 
Questão 16
Eric Hobsbawm foi um historiador inglês que publicou vários livros e artigos. Em Trabalhadores, ele analisa a organização dos trabalhadores e alguns de seus movimentos no início do século XIX. O segundo capítulo dessa obra intitula-se Os destruidores de máquinas; trata-se de um grupo insatisfeito com os desdobramentos da Revolução Industrial, que impôs condições extremamente difíceis para operários e mineiros, entre outros trabalhadores. 

O autor refere-se a qual movimento específico ocorrido no início do século XIX, na Inglaterra? *


 
*

 
Questão 17
Os últimos séculos marcam, para a atividade agrícola, com a humanização e a mecanização do espaço geográfico, uma considerável mudança em termos de produtividade: chegou-se, recentemente, à constituição de um meio técnico-científico-informacional, característico não apenas da vida urbana, mas também do mundo rural, tanto nos países avançados como nas regiões mais desenvolvidas dos países pobres.

A modernização da agricultura está associada ao desenvolvimento científico e tecnológico do processo produtivo em diferentes países. Ao considerar as novas relações tecnológicas no campo, verifica-se que a  *

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2004 (adaptado).

 
Questão 18
As formas de uso e apropriação do espaço urbano observadas entre a fábrica fordista e a fábrica pós-fordista são explicadas, principalmente, pela introdução da estratégia de organização produtiva denominada  *

Imagem I: Disponível em: www.columbia.edu.
Imagem II: Disponível em: www.ford.com.br.

 
*

 
Questão 19
De um lado, ocorre que, hoje, cada vez mais intensamente, cresce o número de pessoas que, embora procurando trabalhar, não conseguem colocação e não contam com qualquer outra forma de sobrevivência. Assim, ainda que, objetivamente, haja condições para que disponham de mais tempo livre e possam preenchê-lo de forma mais independente, aumenta o número daqueles que, ao invés de tempo livre, vivem um tempo sem ocupação, sentem-se pressionados pela condição de não trabalho e, portanto, impedidos de crescerem enquanto indivíduos. 

As ideias do texto indicam as modificações impostas pelas novas tecnologias à vida social e ao mundo do trabalho, em que *

Oliva-Augusto, Maria Helena. Tempo, indivíduo e vida social. Cienc. Cult. Out/dez 2002, vol 54, no 2, p.30-33.

 
Confira sua respostas

 
Resoluções

01 C
Ao mesmo tempo que os Estados Unidos têm como símbolo a democracia, eles também possuem fortes contradições sociais, em especial uma grande desigualdade étnica. É por isso que, ainda na atualidade, esses grupos se manifestam em busca de igualdade e de acesso pleno aos seus direitos civis e sociais. 

 
02 D
A chegada em 1808 inicialmente à Bahia e, em seguida, ao Rio de Janeiro, onde as cortes se estabeleceram acabaram por trazer uma série de transformações para o Brasil, o que inevitavelmente afetaria a história do país. Com o estabelecimento da Corte portuguesa no Rio, uma série de transformações vieram conjuntamente a estimular a dinâmica emancipacionista da elite brasileira.
O governo de D. João VI no Brasil tomou diversas providências no intuito de estabilizar a administração do império colonial luso, dentre elas a abertura dos portos às nações amigas (1808) e a revogação do Alvará de 1785, que proibia a instalação de indústrias e manufaturas no Brasil, com o intuito de aumentar a arrecadação para o sustento do Estado português, agora instalado no Rio de Janeiro. Contudo, não houve uma intenção em desenvolver as bases educacionais para a autonomia da população da colônia.

 
03 E
Em A República, de Platão, a justiça é definida como um princípio segundo o qual a cidade opera com cada cidadão se ocupando de uma tarefa, aquela para a qual é mais bem dotado por natureza. Ou seja, a justiça é um princípio ordenador que garante para cada cidadão a sua melhor posição na cidade permitindo todos os indivíduos se desenvolverem de acordo com a sua natureza. A grande di culdade dessa de nição platônica de justiça está em descobrir o que é natureza, qual a natureza de cada indivíduo e como cada indivíduo se desenvolve em conformidade com ela. Não será por motivo distinto que o filósofo irá elaborar na República uma explicação sobre a dialética, ou seja, sobre o método através do qual conhece-se as coisas, inclusive a natureza. A ciência política em Platão é, em última instância, uma ciência da natureza.

 
04 C
Os textos abordam o tema da intervenção do Estado na organização da sociedade. O primeiro aborda um costume social, enquanto que o segundo se fundamenta na organização legal. Porém, em ambos os casos é aceita a intervenção do Estado em relação à vida do indivíduo. 

 
05 A
Nos diversos momentos em que a figura de Tiradentes foi evocada e utilizada por diversos governos republicanos, tratava-se de estratégias para o fortalecimento do poder estatal mediante o aumento do apoio popular.

 
06 B
A imagem faz referência ao movimento democrático pelas Diretas Já, que requeria eleições diretas para presidente da República e o restabelecimento pleno das liberdades. Esse movimento contou com a participação de intelectuais, políticos, sindicalistas e artistas.

 
07 A
Platão defendeu a teoria de que o conhecimento verdadeiro se encontra no mundo inteligível (Mundo das Ideias), representa- do pelas ideias perfeitas que não sofrem a corrupção, captadas pelo pensamento. Nesse mundo, as ideias estão organizadas hierarquicamente das mais elevadas às de menor perfeição, sendo o bem, o belo e o justo as ideias mais elevadas. Oposto ao Mundo das Ideias está o Mundo Sensível (Mundo da Matéria). Nesse mundo, residem os objetos que temos acesso, porém estes são cópias imperfeitas captadas pelos sentidos. Dessa forma, qualquer representação das ideias ou da beleza são apenas imitações (mimese) das coisas sensíveis e não das verdadeiras ideias. Assim, a arte é uma imitação inferior da perfeição das ideias, sendo considerada como uma mera ilusão para os sentidos. De forma diferente, embora Aristóteles concorde que a arte é imitação, isto não ocorre da mesma forma que Platão. Para esse filósofo, a arte é uma imitação de coisas possíveis que não têm realidade, mas podem vir a ter. A mimese é algo natural dos seres humanos, como forma de invenção da realidade. Portanto, a arte representa possibilidade de compreensão e conhecimento da realidade, servindo também como aprimoramento do ser humano na busca de sua realização moral, nas palavras do filósofo é uma “catarse” que, por meio da educação dos sentidos, conduz o ser humano ao equilíbrio.

 
08 B
A análise da história é parcial. Mesmo o historiador buscando a neutralidade, a interpretação depende das fontes utilizadas e da sua subjetividade. Enquanto que, nos textos, os assírios são vistos como cruéis, os norte-americanos são vistos como heróis. Porém, ambos utilizaram-se da força militar para impor sua dominação. 

 
9 D
O fragmento ressalta a atitude de autonomia e iniciativa popular diante das lutas pela independência na Bahia, contrariando a perspectiva de passividade e a alienação das camadas socialmente subalternas.

 
10 C
A abordagem interpretativa do marxismo sobre a realidade social é baseada nos pressupostos do materialismo histórico que consagra aos fatores econômicos/materiais a centralidade na influência sobre outras esferas da existência humana.

 
11 E
O modelo toyotista, desenvolvido pós-1945, é baseado na flexibilização trabalhista, na descentralização produtiva e na produção just-in-time, ou seja, enxuta, em que a principal vantagem dessa prática está na redução de estoques, pois não é necessário disponibilizar um espaço e recursos humanos para tratar desse aspecto, havendo também uma redução significativa dos tempos de preparação, de custos e desperdícios, uma vez que o sistema procura reduzir os gastos dos equipamentos, dos materiais e da mão de obra. 

 
12 D
A revolução técnico-científica, impulsionada pela globalização, promoveu forte impacto sobre os empregos industriais, tantos nos países desenvolvidos do Norte como nos do Sul industrializado, dispensando a mão de obra menos qualificada, além de enfraquecer a organização sindical e a intervenção do Estado como regulador da jornada de trabalho.

 
13 C
Com a segunda fase da Revolução Industrial, as grandes potências econômicas demandaram mais mercados fornecedores de matérias-primas e consumidores de suas produções. Nesse sentido, a América não se tornava um alvo possível, graças à independência pela qual o continente passou naquele mesmo século e pela consciência nacional dos seus Estados à época. Assim sendo, a cobiça dos países industrializados se voltou para os continentes africano e asiático, como uma espécie de novo colonialismo, assentado em um contexto de capitalismo financeiro ou monopolista. 

 
14 E
A revolução técnico-científica, desenvolvida pós-1945, ocasionou uma evolução no sistema de comunicações e transportes, aproximando os espaços produtivos e os de consumo e permitindo uma maior circulação de pessoas, serviços e mercadorias.

 
15 D
O modelo pós-fordista fundamenta-se na ideia da flexibilidade da indústria produzindo de acordo com a demanda, visando atender ao mercado diferenciado dotado de público cada vez mais específico.

 
16 D
Diante do desenvolvimento de tecnologias e da consequente mecanização produtiva, na qual a substituição do homem pela máquina passou a ser uma realidade cada vez mais comum, gerando um aumento no desemprego e, portanto, uma reação violenta dos trabalhadores que passaram a quebrar as máquinas como forma de protesto, destacando-se Ned Ludd.

 
17 C
A modernização do espaço agrário, com a introdução de uma infraestrutura científica e tecnológica, gera uma maior interação entre o campo e a cidade, ampliando a subordinação do campo ao desenvolvimento técnico-científico-informacional.

 
18 B
Comparando a primeira imagem com a segunda, verifica-se que, no primeiro caso, as fábricas ocupavam uma área relativamente grande, pois todas as etapas de produção eram realizadas dentro das próprias fábricas, necessitando de uma área territorial enorme. Com o desenvolvimento do toyotismo, nota-se uma nova reordenação produtiva, na qual houve uma  flexibilização, adotando a terceirização de atividades, deslocando a produção para outras fábricas (chegando, inclusive, a outros países), reduzindo a necessidade de grandes áreas para a instalação de fábricas e tornando-se mais compacta.

 
19 D
O desenvolvimento do capitalismo preocupou-se, sobretudo, com a questão do tempo como forma de exploração da mão de obra. Se antes os trabalhadores tinham um controle sobre seu tempo, agora, com o advento industrial, seu tempo era administrado pelo empresário de forma parcimoniosa a fim de ampliar seus lucros. Em uma visão capitalista mais madura, todo o tempo deve ser consumido, negociado e utilizado, evitando o desperdício do ócio. 

A Tribuna do Norte lhe deseja boa sorte no ENEM 2017
Continue seus estudos